Poison Idea - Gordos junkies, hardcore nervoso


Geralmente quando falamos em hardcore americano nos lembramos de cara dos Dead Kennedys, Circle Jerks, Black Flag, Adolescents, Minor Threat, Bad Brains... Que é claro, são ótimas bandas (e que muito em breve terão seu espaço aqui, hehehe), gosto muito de todas elas (inclusive Dead Kennedys e Black Flag pra mim são quase como um culto religioso), mas são raras as vezes que lembram do Poison Idea, uma banda quase sempre injustamente esquecida, apesar da influência monstra os caras que exerceram sobre muita gente.

Uma das minhas maiores influências no hardcore e uma das minhas bandas preferidas não só do gênero como no geral, o Poison Idea foi uma banda muito à frente do seu tempo. Formada em 1980 em Portland, Oregon, pelos figuras Jerry A. (vocal), Pig Champion (guitarra), Glen Estes (baixo) e Dean Johnson (bateria), os caras começaram bastante influenciados pelos Germs (adotando inclusive a filosofia punk extremista de Darby Crash e sua trupe) e pelo Discharge (isso mesmo, eles já estavam antenados no que acontecia lá do outro lado do oceano logo no começo desse tal de hardcore!), tocando um som caótico, rápido e destruidor, evidente nos EPs "Pick Your King" (de 1983) e "Record Collectors Are Pretentious Assholes" (de 1984 e já com Chris Tense no baixo no lugar de Glen Estes).



 Mas foi mais tarde, em 1986, com o lançamento de seu debut "Kings of Punk", que a banda formou sua identidade própria e se tornou o supremo Poison Idea, incorporando em seu som elementos do rock 'n' roll dos anos 70, heavy metal e do punk rock japonês no estilo Burning Spirits de bandas como G.I.S.M. e Death Side. Após o lançamento desse disco a banda recruta um segundo guitarrista, Kid Cocksman, e em 1987 e então lançam um dos melhores discos de hardcore de todos os tempos, na minha opinião, "War All the Time", o meu preferido deles. 11 músicas, 27 minutos de pura demência, letrás ácidas, sarcásticas e muito bem sacadas de Jerry A., riffs rápidos, crueis e epifânicos por conta de Pig Champion e seu parceiro Cocksman, baixo certeiro e bateria assassina, a cozinha nesse disco soa como uma locomotiva passando por cima de você, sem dó e nem piedade. Uma obra prima. Esse disco e os EPs que se seguiram, "Filth Kick" e "Getting the Fear" (relançados em 1989 em um único EP chamado "Ian Mackaye") mostra a banda aprimorando cada vez mais o hardcore influênciado pelo Burning Spirits japonês e pelo rock 'n' roll dos anos 70, que chegou no seu ápice em "Feel the Darkness", de 1990.


A banda teve inúmeras trocas de formação até o lançamento de "Feel the Darkness", quando se estabilizou com Myrtle Tickner no baixo, Thee Slayer Hippy na batera e Strichnine na segunda guitarra.

"Feel The Darkness" é considerado por muitos e inclusive pela crítica o melhor disco do Poison Idea. De fato é um clássico "cult" e obrigatório no acervo de qualquer um que diz curtir hardcore punk. Musicalmente falando, realmente a banda nunca esteve tão madura, com um instrumental apuradíssimo e letras cada vez mais sacadas. Também foi nessa época que a banda começou a pegar pesado nas drogas e no álcool. Tsc tsc, seus gordos junkies...



O amadurecimento musical da banda continuou em "Blank Blackout Vacant" (um trabalho bem mais punk rock/rock 'n' roll já com Mondo nas guitarras no lugar de Strichnine) e em "We Must Burn", último disco da banda antes de se separarem no final de 1993, e que apresenta já alguns elementos de blues e mesmo jazz (!!!), algo nunca feito por alguma banda punk/hardcore antes. A banda lançou também um disco de covers em 1992 ("Pajama Party", com covers que vão de Wipers à Elvis e Motörhead), alguns materiais póstumos ("Religion and Politics" de 1994, as sobras de estúdio do "We Must Burn" e uma coletânea, "The Early Years", contendo os primeiros registros da banda, como o nome sugere), voltou em 1998 e gravou o EP "Learning to Scream", à partir daí começaram a fazer várias tours e estão na ativa até hoje, mesmo com a morte do lendário guitarrista e um dos fundadores da mesma, Pig Champion, um dos maiores guitarristas da história do hardcore e do punk, em 2006, por conta de sua obesidade mórbida e estilo de vida junkie. Curiosamente o disco mais recente do Poison Idea, é de 2006 e é chamado de "Latest Will And Testament", nome escolhido pelo próprio Pig, e foi lançado um pouco antes de sua morte.


Embora tenha sido sempre uma banda underground, o Poison Idea gerou um status "cult" devido a sua carreira (falar em carreira, muitas eles devem ter cheirado! risos), e foi uma grande influência para bandas de diferentes estilos no mundo todo, como Ratos de Porão, Turbonegro, Zeke, Nirvana, Pantera e Eyehategod, por exemplo, inclusive algumas destas tendo coverizado alguns sons deles. Uma banda que nunca esteve e nem estará na capa de qualquer revista cretina sobre música (ainda bem!) e que nos deixou um legado de respeito máximo. Poison Idea é foda.

5 thoughts on “Poison Idea - Gordos junkies, hardcore nervoso”

Leave a Reply