Acid Bath - Pesadelo musical sludge


Os anos 90 foram o cenário da consolidação de vários gêneros musicais "novos" no universo do rock 'n' roll. Além do grunge em Seattle, também começavam a tomar forma na mesma época o stoner (mais pelos lados da quente Califórnia) e o sludge, iniciado pelos Melvins ainda nos anos 80 e lapidado nos pântanos sombrios de New Orleans. O stoner e o sludge sempre andaram juntos e mostram muitas semelhanças entre si, a começar pelas influências, que são basicamente as mesmas: maconha e Black Sabbath. Porém o sludge é baseado em bad trips, encontra influências também no hardcore e no metal extremo, gerando um clima muito mais denso e sombrio. Embora os Melvins sejam considerados os pioneiros do estilo, ele tomou forma foi com bandas como Eyehategod, Down, Neurosis e o Acid Bath, banda que será o tema do post de hoje.

O Acid Bath teve vida curta, foi formado em 1991 e teve seu fim em 1997, com a morte do baixista Audie Pitre, que morreu tragicamente em um acidente de trânsito. Porém, esse curto período de tempo já foi o suficiente para a banda marcar seu nome na história do sludge e ser reconhecida até hoje como um dos maiores expoentes do estilo, além de ter revelado ao mundo o grande Dax Riggs, um dos músicos mais criativos de todos os tempos, na minha opinião, que após o fim do Acid Bath seguiu carreira solo e vários projetos. Dentre eles, o mais conhecido é o Agents of Oblivion.



O Acid Bath, como toda banda de sludge, tinha uma fortíssima influência de Black Sabbath, porém o diferencial é que eles também aparentavam uma forte veia thrash e death, além de também mostrarem influências de bandas góticas, hardcore, e mesmo country e blues, criando uma atmosfera pesada, mórbida e depressiva. Aos leigos, costumo dizer que o Acid Bath é o "Black Sabbath versão pesadelo". Além do som em si, vale destacar a performance do grande Dax Riggs, que com maestria combina vocais rasgados e guturais provenientes do metal extremo com vocais limpos e melancólicos, mostrando uma maior influência do gothic rock, além de suas letras, quase poética, que falam basicamente de morte, confusão mental, niilismo, uso de drogas e algumas também abusam do sarcasmo e humor negro.



Em 1993 a banda lançou seu primeiro disco, "When the Kite Strings Pop". A capa traz uma pintura do notório serial killer John Wayne Gacy (conhecido também como "Killer Clown", acusado de matar 29 garotos e condenado à 12 prisões perpétuas e 12 penas de morte), e a patota foi produzida por Spike Cassidy (guitarrista do grande D.R.I, pra quem não sabe). O disco mostra um peso absurdo e fortes influências do metal extremo e já apresenta um clima de bad trip, com características peculiares que a banda desenvolveria melhor e se tornaria marca registrada do Acid Bath, como a alternância de passagens e tempos nas músicas, criando diferentes atmosferas dentro do mesmo som, além de um certo experimentalismo e o ótimo desempenho vocal de Dax Riggs. É o disco mais paulada da banda e apresenta verdadeiros clássicos como "The Scream of the Butterfly", a belíssima e extremamente depressiva "Bones of the Baby Dolls", "Dope Fiend" e "God Machine".



E para quem achava que o Acid Bath não poderia melhorar ainda mais, eis que em 1996, lançam seu segundo álbum e último suspiro, "Paegan Terrorism Tactits". Com uma pintura de Jack Kevorkian na capa, o famoso "Dr. Morte", que incentivava doentes em estado terminal ao suicídio, e produzido por Keith Falgout (que mais tarde viria a produzir discos do Crowbar e Cephalic Carnage), esse disco mostra uma banda mais madura, com maior influência sabbatheana, e apesar de menos paulada, apresenta uma atmosfera muito mais mórbida e depressiva que seu antecessor.



O disco ainda traz pauladas raivosas e no maior clima bad trip influenciadas pelo metal extremo como "Locust Spawing" e "New Corpse", mas o que predomina é um clima mórbido e depressivo, vide "Bleed Me An Ocean", "Venus Blue" (que segundo a crítica, seria um hit em potencial se não fosse pela letra extremamente mórbida), "New Death Sensation", a depressiva e incrivelmente bluezeira "Dead Girl" e "Paegan Love Song", com uma letra quase poética cheia de sarcamos e humor negro, além do puta climão "Master of Reality" do inferno.



Continuam aqui o experimentalismo, as variações de tempo e andamento das músicas, que aceleram e desacelaram, criando diversas atmosferas diferentes dentro de um mesmo som, bem como a variação vocal de Dax Riggs, combinando vocais rasgados e raivosos com vocais limpos e melancólicos, porém aqui essas características se mostram muito mais bem desenvolvidas. Infelizmente, "Paegan Terrorism Tactics" foi o último suspiro do Acid Bath, que teve seu fim em 1997 por conta da trágica morte do baixista Audie Pitre, como foi comentado acima, porém foi o disco que marcou o nome da banda na história do sludge e na minha opinião, é a obra prima maior do gênero.

Baixe aqui "When the Kite Strings Pop" e "Paegan Terrorism Tactics" e conheça uma das bandas mais desgraçadas dos anos 90.

One thought on “Acid Bath - Pesadelo musical sludge”

Leave a Reply