Morterix - Os bangers mais punks de Porto Alegre


Com 11 anos de existência, a Morterix é uma das melhores e mais respeitáveis bandas de Porto Alegre. Fazendo aquilo que chamamos de "metalpunk", essa gurizada está na luta desde 2002, sem nunca ter arregado apesar das dificuldades e fazendo shows insanos nos poucos lugares que restaram nessa cidade maldita, e além disso, a rapazeada sempre está nos shows de outras bandas underground também, sempre agitando muito, demonstrando que não tem frescuras e nem estrelismos. Admiro muito o trampo e a atitude desses caras, que depois de tanto tempo de estrada e na luta, estão prestes a lançar seu primeiro disco em formato físico, então decidi abrir um espaço mais que merecido pros caras aqui no blog, e fiz uma breve entrevista com Rodrigo Ramos, vocalista e guitarrista da Morterix, onde falamos um pouco sobre o lançamento do disco, que será chamado "The Roots of Ignorance", e sobre a banda, influências, sobre a cena de Porto Alegre entre outras marotices. Confiram!



A banda já tem 11 anos de estrada e recém agora está lançando seu primeiro disco, "The Roots of Ignorance", em formato físico (ele já tinha sido liberado para download anteriormente). Como vocês acham que o disco será recebido? Quais são os planos da banda agora? Fale um pouco sobre isso.

Rodrigo - Desde a disponibilização pro download ano passado, as críticas estão sendo bastante positivas, "para a nooooossssaaa alegria" total, o pessoal está curtindo os sons pra caramba e principalmente, comentando positivamente sobre a crueza da gravação. Sem dúvida nenhuma a maior preocupação desde antes de começarmos a gravar foi justamente fazer o possível para atingir a crueza, mas sem desperdiçar a qualidade dos equipamentos. E após muita e muita conversa com o mestre das gravações Sebastian Carsin, conseguimos (milagrosamente) convencê-lo a fazer um trampo sem modernidades desnecessárias, como trigger na bateria por exemplo, que aos olhos da Morterix estragam completamente o roque paulera em geral. Acho que o disco em formato físico vai ter uma aceitação supimpa, bastante gente pergunta nos shows se temos discos pra vender, e infelizmente ainda não temos... Mas no final de maio estará saindo da fábrica, cheirando a disco novo! Sobre os planos, os planos são continuar divulgando essas músicas (velhas pra cacete já) e continuar compondo músicas novas para o segundo disco, que pretendemos gravar em 2014 e será o ápice da insanidade lírica com a sonoridade 3 acordes e anti-solo de sempre.


A Morterix começou como uma banda de black metal, mas com o passar do tempo vocês abandoram essa cena e atualmente fazem o que podemos chamar de "metalpunk". O que motivou essa mudança?

Rodrigo - Essa mudança foi completamente natural, e a essência do som sempre foi a mesma. Pra ter uma ideia, seis músicas que constam no nosso disco são músicas ainda da época black metal, só houve pequenas mudanças em algumas letras, pra "melhorá-las" por assim dizer. Por isso acho que não foi uma mudança, mas simplesmente o desenrolar natural da evolução da banda. O que mudou de fato foi a abolição total de qualquer visual ou make-up, pois não somos atores, somos uma banda de roque paulera.


(único registro da fase black metal da banda)


A Morterix atualmente transita livremente no universo punk e metal, já dividiu o palco com bandas de hardcore, crust, thrash, death, etc, e nos shows tanto os punks como os bangers estão lá pogando e se quebrando sem tretas e sem frescuras. No início, vocês não foram acusados de "traidores" por começar a flertar com punk ou algo do tipo? Vocês acreditam que ainda há algum certo preconceito entre o metal e o punk? Nessa questão, hoje em dia a coisa está melhor ou pior? Vocês acham que há mais aceitação da banda pelo público punk ou pelo público banger? Fale um pouco sobre isso.

Rodrigo - Esse é um tópico importantíssimo de se discutir. Então, como diria o The Ripper, vamos por partes.

1) Sobre o início da mudança: Logo que decidimos abolir o "visual", um amigo nosso disse com todas as letras "vocês vão perder todo o público de vocês". E de fato, isso ocorreu. A partir de então, os shows que já chegaram a reunir uns 400 interessados (para nós é equivalente a um público de Wacken) foram ficando mais vazios, o pogo em nossos shows foi diminuindo, mesmo a gente tocando EXATAMENTE os mesmos sons. Conclusão: a galera levava mais em consideração o visual cheio de parafernalhas do que o rock'n'roll rolando solto no palco. Então começamos a tocar em shows 100% hardcore, e o que aconteceu? Parece que ali também o mecanismo é o mesmo: sem visual = sem pogo.

2) Preconceitos metal x punk e os tempos atuais: Existe sem sombra de dúvidas muito preconceito em ambos os lados, preconceitos sonoros, ideológicos, de todos os tipos. Já presenciei milhares de comentários absurdamente infantis de desrespeito entre as cenas, algo lamentável, pois metal e punk são exatamente a mesma coisa, apenas seres medíocres não possuem a capacidade de ver isso, é tudo igualmente rock 'n' roll. Felizmente temos em ambas as cenas (metal e punk hardcore) bastante gente evoluída, que não dão a mínima pra essa palhaçada toda que escrevi aí em cima, e tem crescido muito o número de shows onde temos bandas de HC e metal juntas, e são nesses shows "mistos" que nós da Morterix temos conseguido chamar alguma atenção: shows 100% metal ou 100% HC não estão sendo favoráveis para nós, é apenas stress de ficar chamando a galera pra agitar, sem êxito algum. E só pra finalizar sobre união punk/metal, eu não gostava dessa moda thrasher que surgiu há alguns anos, mas ela serviu pra dar uma boa unida entre o povo do metal e do punk e abrir a mente da galera. A cada dia está havendo mais integração e união.



Quais foram as principais influências da banda no início e quais são as influências atualmente?

Rodrigo - As grandes influências desde o início da banda sempre foram Black Sabbath, Celtic Frost e Motörhead. Eu acredito que a maior de todas seja de fato o Celtic Frost, inclusive o timbre usado na gravação do "The Roots Of Ignorance" foi baseado nas guitarras do "Morbid Tales". Darkthrone era uma grande influência na minha forma de compor riffs na época que nos denominávamos black metal. Há quem diga que a Morterix mudou de estilo devido às mudanças de estilo do Darkthrone, mas isso é uma inverdade. Como eu disse anteriormente, a Morterix sempre tocou o mesmo tipo de som, só cansou desse lance de visual. Continuamos sendo sempre os podres que sempre fomos e que sempre seremos.

As letras da banda tratam de temas variados, como alcoolismo, culto ao capiroto e mesmo temas históricos. Daonde surgem as ideias?

Rodrigo - As letras da Morterix nascem depois de alguns litros de entorpecentes ingeridos. Como metade dos sons constantes no disco são dos tempos do início da banda, esses sons em particular têm aquele sabor de black metal, com xingamentos ao cara que morreu pregado no pau e às religiões em geral. As outras letras são bem variadas, desde o amor à cerveja até coisas sem sentido mesmo. A maioria das letras, se não todas, são daquele tipo de coisa que só o autor (no caso eu mesmo) entende. Tenho preguiça de ficar pensando em letras, pois as religiões já são xingadas diariamente por milhares de bandas; o sistema e o capitalismo também; idolatração à cerveja também. Então comecei a deixar valendo a primeira coisa que vem na mente, sem preocupação nenhuma. Próximo disco só vai ter letra sem sentido, cansei de pensar em letras. Se pá, o terceiro vai até ser instrumental!


Agora a velha pergunta cretina de sempre... O que vocês acham da cena local? Cite algumas bandas daqui que vocês gostam.

Rodrigo - A cena local é uma verdadeira vergonha. Quando vemos um openbar do Opinião com bandas cover transbordando de gente, e um show underground com 15 gatos pingados, é porque algo está muito errado. Quando vemos filas de gente em show de bandas estrangeiras, e uma fila de 5 pessoas em um show underground que custa 3 reais, é porque algo está muito errado. Quando vemos um show underground com alguma banda bombando e a maioria da galera do lado de fora do local, bebendo ao invés de ir lá curtir o esforço dos caras, é porque algo está muito errado. A cena de Porto Alegre tem muito a aprender com a cena do interior do estado.

Sobre as bandas locais, fica difícil citar nomes, mas apreciamos a nata do underground como a Natural Chaos, Evil Emperor, Decimator, Blasting, Viruskorrosivus (sem puxação de saco escrotal), Living In Hell, Kombativos Subversivos entre tantas outras que tão sempre na batalha por um espaço pra mostrar seus trabalhos, geralmente tocando sem ganhar nem pro transporte.

Recomende alguma sonzeira marota para a gurizada que acessa o blog:

Rodrigo - Vou recomendar aqui um disco fenomenal, um dos meus preferidos: "Mournin'", da sensacional Night Sun.



Faça suas considerações finais: agradecimentos, xingamentos, dê um recado para os leitores do blog, mande os tomar nas pregas, deixe contato para shows... Espaço livre!

Rodrigo - Agradeço aqui em nome da Morterix a todos que nos apoiam de alguma forma, vamos sempre honrar o apoio que vocês nos dão, podem ter certeza disso. Agradeço também a vocês do blog pelo espaço, esse blog tá bom pra caramba, parabéns meus jovens! Gostaria de mais uma vez, convocar o povo pra ir aos shows das bandas locais, parem de ficar em casa olhando RedTube e comendo pastelina, saiam pra ir aos shows. Tentem ir em pelo menos em 1 show underground por mês. Não é impossível e não é caro: sei muito bem que vocês gastam muito mais com merdas desnecessárias que não os levarão a nada, então grana não é desculpa. E parem também de desrespeitar o rock'n'roll com essas rixas sem sentido entre as cenas. Pra finalizar, convido a todos para entrarem no nosso Facebook (digita lá na busca a palavra Morterix), onde vocês encontrarão para download o nosso álbum, que até o final de maio estará pronto em formato físico, e vai rolar também umas camisetas bacanas à beça. Obrigado a todos leitores, continuem podres e longe da moda. Abraços e beijos.


(Morterix no primeiro Crust and Metal Sessions, que rolou no dia 07/09/12. Filmagem por Mekaniquis

Ouça o disco "The Roots of Ignorance"
Página da Morterix no facebook

Morterix é:
Rodrigo Ramos - Guitarra e vocal
Lucas Jacomelli - Baixo
Fabrício Gil - Bateria

One thought on “Morterix - Os bangers mais punks de Porto Alegre”

Leave a Reply