Punks de puta madre


Formada em 1979 nos arredores de Tulsa, Oklahoma, o La Manada é um dos mais curiosos casos da história do punk tanto latino como americano (EUA). A banda, que contava com dois irmãos brasileiros (Wanderley "Anaconda", baterista, e João Paulo o "JP" Araújo, guitarrista) e um mexicano (Chip Ramirez, vocal), todos imigrantes ilegrais, além do baixista Duck (que era americano), teve um tempo de vida curto (encerraram as atividades em 1984), porém, acabaram virando uma lenda no underground americano.

A banda fazia um hardcore punk mais denso e carregado do que o das outras bandas daquela região, certamente muito influenciado por Varukers, Exploited e Discharge. A banda chamou muita atenção nos arredores de Tulsa, e a repercussão ultrapassou o estado de Oklahoma, tendo chegado também no Texas e Arizona. O "culto" à banda ficou um pouco restrito a essa região.



A banda encerrou suas atividades em agosto de 1984, no auge da carreira, após a morte de Chip Ramirez, num acidente de carro. Várias bandas prestaram tributo para Chip e para o La Manada em Dallas, logo após a sua morte. Além disso, uma rara biografia da banda foi lançada por fãs em 1987, na biblioteca central de Tulsa. Essa são as informações que tenho, não sei dizer que fim tiveram os integrantes do La Manada após o fim da banda, se tiveram outros projetos, se morreram ou foram deportados de volta para o Brasil (no caso dos irmãos Araújo). A banda nunca gravou nenhum LP full length, somente dois singles, hoje em dia raríssimos, compilados nessa coletânea que venho trazer hoje pra vocês, "Anarkill", lançada em 2001 pela Rotthenness Records, que traz, além dos singles, o registro de uma faixa gravada ao vivo no festival Three Days of Bad Music, que ocorreu em Dallas em julho de 1983. Aproveitem essa preciosidade!

Leave a Reply