Como você ainda sente tanta fé, quando tudo que o cerca já está morto?


A Homicide é atualmente uma das melhores bandas nacionais de grindcore em atividade, isso se não A melhor. O trio anti-musical de São José (SC), que atualmente conta com Diego na guitarra, Sommer no baixo (ambos dividindo os vocais) e Marlon no bate-estaca, realmente surpreendeu muito ano passado com o lançamento do brutal e devastador "O Que O Cerca Está Morto".



A banda iniciou suas atividades em 2006, e a ideia inicial era tocar um thrashcore/crossover com influências de Slayer, Ratos de Porão, Nailbomb, Sepultura e afins. A formação inicial contava com Marlon (guitarra) e William Longen (vocal), além de Fernando (Vesgo) na bateria e Gustavo no baixo. Da formação original, resta apenas Marlon, que hoje é o batera. Ainda em 2007, os dementes começaram a tocar tão podre, tão rápido e tão pesado, levando a violência e agressividade ao extremo, que não tardou muito para adotarem um som mais voltado para o grindcore/death. Com essa mudança de estilo ocorreu também uma mudança de formação que acabou fazendo com que Marlon fosse pra bateria e Diego Valgas entrasse na banda assumindo as guitarras e backing vocais. Hamey Grudtner assumiu o baixo e no mesmo ano saiu da banda por motivos pessoais. Logo William passa para o seu lugar e a banda grava sua primeira demo, “Total Decay”, com bastante influências de death metal, resultando num deathgrind totalmente bruto e ignorante.



Os anos de 2008 e 2009 foram intensos para a banda, com diversos shows com bandas gringas e nacionais, porém, Diego acabou indo pra São Paulo, o que fez com que a banda ficasse parada por um tempo indeterminado. Voltaram em 2011 com a formação atual e mais insanos do que nunca, incorporando ao som influências crust e hardcore em seu grindcore que já tinha muita influências de death. Lançaram então, no ano passado, o maravilhoso "O Que O Cerca Está Morto".



Este é sem dúvida um dos melhores lançamentos de 2012. Foi um disco que me surpreendeu muito positivamente e me encantou, como um bom fã de som rápido, extremo e barulhento no geral. As influências são notáveis: Napalm Death, Nasum, Terrorizer, Cripple Bastards e ROT, com toques de crustcore e death metal, só pra dar aquele requinte de crueldade. Com 18 sons (dentre eles, um cover do Napalm, "Right You Are") e pouco menos de 20 minutos, o disco é uma porrada na cara, além de muito bem produzido. E ainda conta com participações especiais de Cristiano Maffra (do Bandanos) e Thiago Nascimento (do D.E.R) em uma das faixas, "A Lei da Obrigação", uma das melhores aliás. Grindcore sem frescuras, muito bem executado, podre, sujo e agressivo, com letras diretas, "na cara", como tem que ser. Já falei lá no primeiro parágrafo e volto a repetir: A Homicide é uma das melhores bandas de grindcore nacionais em atividade. Ouça aqui o sensacional "O Que O Cerca Está Morto" e diga-me se estou certo ou não. Se você tem ouvidos sensíveis, é um rapaz de família, defensor da moral e dos bons costumes, por favor, fique longe!

Leave a Reply