Os melhores discos de 2013 - Parte I

Como qualquer blog de música que se preze, nós do Bad Music for Bad People também decidimos fazer as nossas listas de "melhores do ano", visando mostrar para você, leitor, um pouco do que rolou de bom no underground esse ano, tanto aqui no Brasil como na gringa. Nada dos últimos lançamentos do Black Sabbath ou do Motörhead  por aqui - isso deixamos pra Rolling Stone e afins...

Hangovers - Hanga In The Sky With Breads


A Hangovers é uma das minhas bandas preferidas de Porto Alegre. Sempre colo no show dos caras e sou um dos maiores entusiastas do som desde que vi eles ao vivo pela primeira vez em julho do ano passado, inclusive já falei sobre os caras aqui no blog. Quando eu conheci a banda, eram um power trio, com Andrio e Theo nas guitarras e Liege na batera. Sem baixo, nem vocal. Peso e barulheira absurdos. Não tinha como ficar melhor, aparentemente. Mas e não que pra esse ano eles deram um jeito de ficarem mais pesados e barulhentos ainda? Acontece que o Lixo, que tocava na banda antes e se afastou por um tempo, voltou a tocar e hoje a banda tem nada menos que TRÊS guitarristas. O som, que já era algo epifânico, virou um negócio transcendental mesmo, ainda mais sujo, barulhento e pesado.  O novo disquinho da banda, "Hanga In The Sky With Breads", com essa nova formação, já na minha primeira audição conquistou espaço na minha lista de "melhores do ano". Ouça aqui.

Ornitorrincos - Ornitorrincos 7''


A Ornitorrincos é simplesmente uma das melhores bandas de hardcore do Brasil atualmente, e nesse disquinho novo botou pra foder. Com um som meio Black Flag, meio Dead Kennedys, na melhor pegada old school, letras sarcásticas em portunhol e solos dissonantes, isso aqui não tem como não agradar qualquer fã do hardcore americano anos 80. Para pogar muito e fazer voar cerveja! Escute aqui.


Warkrust - Warkrust


E o ano terminou bem para a cena gaúcha com esse excelente lançamento de uma banda nova, formada por ex-integrantes de bandas como Gritos de Alerta, Distrato e Barulho Ensurdecedor. A Warkrust, como o nome próprio nome da banda sugere, faz um crust violentíssimo, com influências de Anti-Cimex, Doom, Disrupt, Discharge e Extreme Noise Terror, absolutamente monstruoso! Essa banda ainda vai dar o que falar. Ouça aqui.

Besta - Herege


Essa banda portuguesa de grindcore com influências crust foi responsável pelo lançamento do disquinho mais brutal desse ano, na minha opinião. "Herege" é pra nenhum fã de desgraceira botar defeito. Músicas rápidas, pesadas, sem frescuras, vocais guturais e rasgados alternando entre si, blast beats, riffs matadores e pra melhorar ainda mais temos até samplers do Zé do Caixão e um cover de Napalm Death! Não perca tempo e ouça essa pedrada aqui.

O Cúmplice/Gracias por Nada - Split 7''


Lançado pelo selo paulista Black Ember Records, esse split reúne duas das melhores bandas nacionais da atualidade: os paulistas d'O Cúmplice e Gracias Por Nada, de Brasília. De um lado, O Cúmplice manda seu crust caótico com muita influência de Black Sabbath e death metal old school, e do outro, o Gracias Por Nada, também crust, mostra um som mais trabalhado, seguindo aquela linha que costumamos chamar de "neocrust", de bandas como Tragedy, His Hero Is Gone e From Ashes Rise. Uma pequena mostra do que a cena underground brasileira tem para oferecer de desgracento, caótico, niilista e misantrópico. Ouça aqui e aqui.

Escuro - Escuro 7''
 

Mais um lançamento da Black Embers Records, o 7'' de estreia da Escuro também não poderia deixar de faltar nessa lista. Essa banda straight edge de São Paulo formada por membros e ex-membro d'O Cúmplice, Jesus Macaco, Discarga, Sick Terror e Decision, manda um hardcore direto e sem frescuras, ou seja, nada dessa palhaçada de youth crew, aba reta, XXL e afins. Além disso, vale prestar atenção nas letras, que tratam de temas bastante atuais e são muito bem sacadas, como "Viúvas da Ditadura" e "O Joio do Trigo". Ouça aqui.

V.A. - Não Somos Os Primeiros, Não Seremos os Últimos


Apesar de algumas polêmicas que se deram recentemente com algumas das bandas que participaram dessa coletânea e com alguns dos organizadores do projeto, esse disco não poderia deixar de estar aqui. "Não Somos Os Primeiros, Não Seremos Os Últimos" mostra o que há de melhor na cena paulista e acredito que seja um marco para o punk e hardcore nacional na atualidade, assim como a coletânea "Conspiração Coração Ao Contrário", que foi lançada em 2010 e já postada aqui no blog, e daqui alguns anos poderá ser equiparada à clássicos como SUB e Ataque Sonoro. Temos aqui 12 bandas das mais diferentes vertentes do hardcore/punk. Do powerviolence ao hardcore old school tradicional, do punk rock ao metal punk, passando pelo straight edge e até pelo post-hc e pós punk, é um registro sensacional que vale a pena ser sacado. Das bandas aqui presentes, destaco O Inimigo, Urutu, Sentenced, Futuro, La Revancha e Gattopardo. Ouça aqui.

Parte Cinza - Parte Um


Essa banda carioca que tem como frontman Cristiano Onofre, mentor dos Quadrinhos Mais Sujos da Face da Terra, manda o legítimo "emotional hardcore", com influências claras de bandas com Embrace, Fugazi, Jawbreaker e Rites of Spring. Canções simples, criativas e viciantes é o que temos aqui nesse excelente registro de estréia do Parte Cinza. Ouça aqui.

 Honorável Harakiri - Os Surdos Herdarão A Terra


Uma das coisas mais interessantes que surgiram em Porto Alegre nos últimos tempos foi a Mansarda Records, um selo virtual especializado em música experimental e improvisação livre. O selo só esse ano teve 25 lançamentos, incluindo este maravilhoso "Os Surdos Herdarão A Terra", do Honorável Harakiri, projeto de free jazz de Diego Dias (sopros, um dos donos do netlabel), Michel Munhoz (bateria, que também toca na Viruskorrosivus e ex-Damn Laser Vampires) e Márcio Moraes (guitarra). O que temos aqui é caótico, anárquico, uma destruição criativa só para os loucos, só para os raros. Ouça aqui e transcenda.

Reiketsu - Cinza


Depressivo, pesado, denso e agressivo. Essas são as palavras ideais para descrever o primeiro disco do Reiketsu, o sensacional "Cinza", uma das maiores pérolas do hardcore nacional desse ano. Seguindo a linha "neocrust" de nomes como Tragedy e His Hero Is Gone, bastante denso e pesado, a banda caprichou no debut. Ouça aqui.

Warcupid - Warcupid 7''


Projeto de crustcore composto de membros das bandas Living In Hell, Homicide e Disarm, com influências de Doom, Crude SS, Discharge e Anti-Cimex. Precisa dizer algo mais? Acho que não. Dê uma provinha aqui, se quiser ouvir o disco todo, terá que comprar a bolacha pela Terrötten Records mesmo. Mas olha, vale a pena! Para ouvir bêbado e destruir!


Violator - Scenarios of Brutality


O Violator já é há muito tempo um dos principais representantes do metal nacional. Mandando um thrash furioso, cheio de influências oitentistas, a banda já tem feito a cabeça de muitos bangers na América Latina. Confesso que nunca fui um grande fã dos primeiros trabalhos da banda, como "Violent Mosh" e "Chemical Assault", apesar de gostar deles, foi à partir do "Annihilation Process" que comecei a dar mais valor e a curtir mais o trabalho dos caras. E "Scenarios of Brutality" é, com certeza, o melhor disco da banda, e um dos melhores discos de thrash metal nacional em tempos. Com um som rápido e agressivo, a temática do disco gira em torno de temas políticos e sociais, denunciando abusos por parte das autoridades e crimes contra a humanidade, o que faz do disco de certeza ser além de o melhor o mais maduro do Violator, fugindo daqueles clichês do "mosh!" e "united for thrash". Ouça aqui

Mudhoney - Vanishing Point


Sou suspeito pra falar do Mudhoney, pois é uma das minhas bandas preferidas de todos os tempos, certamente figurando num top 10. E esse disco foi por mim muito aguardado, pois já tinha ouvido uns sons antes em alguns vídeos de uma apresentação deles na rádio KEXP de Seattle e tinha pirado. Pois a espera valeu e tivemos este que na minha opinião é o melhor disco do ano. Temos aqui o bom e velho Mudhoney em 10 faixas irreverentes, sujas, diretas e sem frescuras. Do jeito que o velho gosta, do jeito que o velho quer! Não tem muito o que comentar, ouça aqui e delicie-se com mais uma grande obra dos mestres de Seattle!

Riistetyt - Korppien Paraati


Os mestres do hardcore finlandês estão de volta e mais pesados e agressivos do que nunca, e mostrando isso com essa patada na cara que é "Korpien Paraati". Misturando o hardcore de sempre com elementos de crust e metal e com uma produção impecável, esse é sem dúvidas o melhor disco crust do ano. O disco completo ainda não está disponível na net (eu tenho a minha cópia, que estou com pura preguiça de copiar pro PC e upar), mas podemos dar uma provinha aqui.

Blank Pages - Blank Pages


Essa foi uma das grandes estreias do ano. Filhos bastardos do Wipers com os Ramones, esse disco de estreia do Blank Pages, banda relativamente nova, de Berlim, é simplesmente sensacional. 10 faixas de puro tesão e paudurescência. Essa banda ainda vai dar o que falar, o disco é simplesmente maravilhoso. Ouça aqui.

Gas Rag - Demo Tape



Vindos de Chicago, o Gas Rag lança um hardcore podraço na linha Poison Ideia nos primórdios. Por enquanto, tem só essa demo tape totalmente lo-fi lançada pela Hardware Records, de 6 músicas, e poucos menos de 5 minutos, no melhor estilo "Pick Your King". Lindo! Ouça aqui.

Bl'ast - Blood


Esse disco na realidade é um remaster do segundo disco da banda, "It's In My Blood", de 1987, feita por ninguém menos que Dave Ghrol. Porém, a coisa ficou tão superior que parece até outro disco. Simplesmente SENSACIONAL! Só posso definir essa porra assim: uma espécie de Black Flag na época do My War, só que muito mais pesado, mais paranoico e mais crackudo. É daqueles discos que você ouve e sente raiva do início ao fim, aquela vontade desgraçada de quebrar todo e destruir as coisas belas que o rodeiam. Ouça essa merda aqui!

One thought on “Os melhores discos de 2013 - Parte I”

Leave a Reply