Selos independentes, parte II - Dischord Records


Depois de um tempo sem postar, estamos voltando em grande estilo!

A história da Dischord Records muitas vezes confunde-se com a história da cena hardcore de Washington, DC. Fundada em 1980 por Ian McKaye e Jeff Nelson, a Dischord foi e até hoje é um dos maiores mais importantes selos da história não só do punk, mas como da música alternativa no geral, tendo sido a responsável pelo lançamento de bandas como o Minor Threat, Teen Idles, S.O.A, Government Issue, Dag Nasty, Fugazi, Scream, Iron Cross, Rites of Sprig e muitas outras.

Ian McKaye e Jeff Nelson fundaram a gravadora para lançar o EP de sua primeira banda, Teen Idles, o clássico "Minor Disturbance". Cientes de que nenhuma grande gravadora iria se interessar pelo material, pediram conselhos a um amigo de Maryland, Skip Groff, que já tinha um pequeno selo próprio, a Limp Records, e ele explicou para os dois jovens os mecanismos básicos de um selo independente e sobre como lançar um disco. Assim, montaram seu próprio selo e lançaram por eles mesmos o primeiro EP do Teen Idles, numa ética totalmente DIY, e em dezembro de 1980, com o disco em mãos, nascia a Dischord Records.



Pouco depois disso, o Teen Idles acabou e Ian e Jeff montaram o Minor Threat. Nessa época, a cena de Washington estava crescendo e tomando forma, com inúmeras bandas surgindo além do Minor, como o S.O.A, Government Issue, Youth Brigade, Untouchables, Void, Faith e várias outras. Vendo o movimento acontecer e inspirado pela sua juventude, pela Dangerhouse Records de Los Angeles, Ian decidiu que iria usar o seu selo para apoiar e lançar materiais dessas bandas de Washington que estavam surgindo na época. Com o dinheiro das vendas do disco do Teen Idles, Ian e Jeff puderam lançar o primeiro EP do S.O.A (primeira banda do Henry Rollins), o classico 7'' "No Policy", em 1981. Até o final do ano, já teriam lançado ainda os primeiros singles do Minor Threat, Government Issue e do Youth Brigade.

Em outubro de 1981, o Minor Threath mudou-se para Arlington, Virginia (que era bem próxima de Washington), e lá, montaram a Dischord House. Porém não sabiam direito por quanto tempo ficariam lá, e embora operassem as atividades do selo naquela localidade, o endereço da Dischord continuava sendo a casa dos pais de Ian. E continuou sendo por um bom tempo, visto que Ian tinha total confiança com os pais, com quem sempre teve um bom relacionamento.

As atividades eram intensas na Dischord House e em 1982 a Dischord lançou seu primeiro LP 12'', uma coletânea chamada "Flex Your Head", com 32 sons de 11 bandas de Washington. Essa coletânea é essencial para quem quer entender a cena de Washington na época e é um clássico absoluto do hardcore.



Por volta de 1983, a Dischord já tinha várias bandas em seu cast e já eram uma das mais reconhecidas gravadoras da época, ao lado da SST, Alternative Tentacles e Touch and Go. Além disso, as gravações da Dischord estavam entre as mais bem produzidas da época, levando em consideração que no hardcore tudo era feito de forma bastante precária, muitas vezes. Porém, nessa mesma época, a Dischord passava por dificuldades financeiras. O que ocorreu é que eles estavam tendo problemas em conseguir distribuidores que pagassem as contas em algum tempo hábil. Geralmente as distribuidoras que conseguiam davam um prazo máximo de 90 dias para passar a grana pra Dischord, e esses 90 dias se tornavam 6 meses. E também estava difícil para conseguirem crédito nas fábricas de prensagem dos discos, pois eles sempre tinham que pagar direto do bolso e saiam no prejuízo, pois as distribuidoras não repassavam a grana dos discos... Passando por dificuldades, estavam pensando em como investir o pouco dinheiro que tinham: se apostavam em algo novo ou reprensavam algum disco antigo. E foi aí que veio John Loder.

John Loder era o dono da Southern Studios de Londres, que lançava os discos do Crass. Ele estava interessado em lançar o "Out of Step" do Minor Threat na Europa, e como lá a prensagem de discos era muito mais barata, Ian achou que seria uma boa e perguntou se ele ajudaria a distribuir o material pelos EUA também. Loder concordou em ajudar na distribuição dos discos pelos EUA e foi o início de uma parceria que dura até hoje, sendo atualmente a Dischord sendo um selo vinculado à Southern Records.

Como a maioria dos problemas financeiros da Dischord vieram por conta de problemas com o pagamento das distribuidoras, muitas bandas em 1984 quebraram ou deixaram a Dischord pois ela não estava em condições de pagar todo o cast por conta dos calotes das distribuidoras. Nessa mesma época, a cena de Washington (e não só de Washington), começava a passar por um momento de criatividade nula. O hardcore não era mais novidade, muitas bandas acabando, e outras seguindo rumos completamente diferentes... Mesmo assim, a Dischord foi a principal responsável por ter botado a cena hardcore de Washington no mapa com maestria, e uma das principais responsáveis por fixar esse movimento musical nos EUA. 


Porém, na segunda metade dos anos 80, algo novo acontecia em Washington. Bandas como Rites of Spring, Nation of Ulysses, Jawbox, Shudder to Think, Dag Nasty e mesmo os próprios Embrace ou Fugazi, ambas do Ian McKaye, começavam a surgir. Essas bandas surgiram com um proposta nova, uma proposta mais trabalhada do que o hardcore, porém mantendo a ética e a estética do DIY. Era um novo momento criativo, uma nova cena surgindo, e a Dischord apadrinhou essas bandas. Foi a época de maior trabalho da gravadora e com isso foram obrigados a mudar algumas das operações da Dischord House. Começaram a Dischord Direct, para distribuir discos das bandas de Washington para lojas, distros e outros distribuidores.

Já no início dos anos 90, muito por conta do Nirvana e de outras bandas de Seattle, houve um interesse maior pelo que ocorria no underground. O underground acabava por virar mainstream. Creio que todos já conheçam essa história... De qualquer forma, com esse interesse maior pelo underground, muitas bandas da Dischord receberam ofertas para migrarem para major, inclusive o próprio Fugazi, que recusou todas as ofertas e preferiu ficar na Dischord e continuar com a ética DIY, principalmente agora que a gravadora estava bem estabelicida e estável. Já algumas bandas da Dischord decidiram "trair o movimento" e assinarem com majors, como o Shudder to Think e o Jawbox, vendo novas oportunidades com tais ofertas. 

As vendas da Dischord subiram lá em cima com o novo interesse pelo underground, porém a gravadora nunca teve tal pretensão. Independente disso, continuaram a lançar material e bandas novas, dentre as quais vale mencionar Slant 6, Hoover, Circus Lupus, Trusty, Bluetip, Branch Manager, The Crownhate Ruin, Smart Went Crazy e Make-Up... E continuam lançando ótimas bandas até hoje, sempre ligados no que acontece na cena de Washington. Quem quiser conferir o catálogo da Dischord, pode vê-lo completo aqui.


A Dischord começou como um pequeno selo local e tornou-se um dos maiores e mais importantes selos independentes da história, estando na ativa até hoje e sendo um dos mais duradouros e produtivos selos independentes de música "alternativa", seguindo até hoje a ética DIY e mostrando como ela pode funconar bem. Deixo aqui para quem interessar o box set "20 Year of Dischord", um box de três discos, resumindo tudo que foi produzido na cena de Washington e lançado pela Dischord entre 1980 e 2000.

Disco I - Disco II - Disco III (material inédito das antiga)